O Oceano


Filho de Urano ou do Céu, e de Gaia, a Terra, é o pai de todos os seres. A primeira visão que se tinha do Oceano é de um imenso rio a envolver o nosso mundo. Segundo Homero os deuses se originaram do Oceano e de Tétis. Os deuses freqüentemente iam a Etiópia para visitar Oceano e participar das festas e sacrifícios. Réia confiou o seu filho Juno aos cuidados de Oceano e Tétis, para livrá-la de Saturno.
Representam Oceano sob a forma de um velho, sentado sobre as ondas, com uma lança na mão e um monstro ao seu lado. Sendo tão antigo como o mundo. Segurando um baú ele despeja água, símbolo do mar, dos rios e das fontes.
Nos sacrifícios ofereciam-lhe grandes vítimas e antes das expedições difíceis, faziam-lhe libações. Diziam que os homens e os deuses o veneravam. Habilmente descrita nas Geórgias de Virgílio, a cerimônia em que a ninfa Cirene, no palácio do Peneu, na fonte desse rio, oferece um sacrifício ao Oceano; por três vezes seguidas, deita o vinho sobre o fogo do altar e três vezes a chama ressalta até a abóboda do palácio, presságio tranqüilizador para a ninfa e sei filho Aristeu.