Entendo a Alma Ariana I, II, III


O ariano nasce herói, mas é impossibilitado de exercer a prerrogativa, pois precisará conquistar o processo pessoal de busca da identidade, superando obstáculos praticamente impossíveis. Normalmente para conseguir tal fato precisará contrapor-se a ordem estabelecida, o rei, ou a figura paterna. Para todo pai castrador é necessário a figura materna equivalente fazendo o ariano sentir-se normalmente só para empreender as suas guerras. Caberá a ele buscar o apoio nas “classes menos nobres” para apoiá-lo, a quem inspirará com os seus sonhos de uma realidade inacessível ou inalcançável. Precisará de um mestre que o iniciará nas artes “da guerra”, tornando-o apto a influenciar os comandados a aceitarem riscos que normalmente não assumiriam. A ira costuma ser a energia mais disponível no mundo, pois é uma versão do impulso da vida, portanto o primeiro signo do zodíaco saberá instintivamente usá-la. Acabará descobrindo que isso tem um custo, talvez a dor de cabeça. A busca do reconhecimento da sua dignidade será presente durante toda a vida.

Mesmo quando aparentemente repousar na tranqüila vida de casado, com filhos e vida financeira estável, ira encontrar uma nova “conquista” podendo por tudo a perder. Mas por tudo a perder é arriscado, por isso mesmo ele fará, nem que seja somente por isso. Essa característica é muito masculina, justamente para poder romper com outro elemento masculino, o pai limitador. Normalmente a infância do ariano é extremamente desafiadora pelo pai exigente ou pela negação da herança. A crítica destemperada incita o ariano a responder agressivamente o que “pode“ fazer com que ele consiga fazer amigos e inimigos instantaneamente. Isso poderia explicar a necessidade de manter-se motivado nas conquistas. 

Ou seja, tanto para os homens como para as mulheres arianas o pai segue sendo a figura que persegue dominando-o a vida inteira, como um assunto recorrente. Percebe-se que a mãe é emocionalmente instável não produzindo na tela emocional ariana o contraponto ao pai. Melodramas, chantagens e ausência podem criar nele a necessidade de procurar relacionamentos para redefinir o ideal de parceria. Neste caso do mito, Jasão encontra Medéia, uma mulher que possui conhecimentos “especiais”, quase divinos, para poder vencer o desafio da guerra, eliminar o rei não cumpridor do combinado e outros obstáculos. Como no mito, a influência das deusas da guerra e do amor, o ariano normalmente usará esse referencial para viver. Amar e guerrear. No fim ele terá tido uma vida com altos e baixos e terá se descoberto um pouco mais. Mas o que são as cicatrizes, se não o caminho para a alma? Quem procura o ariano? Provavelmente alguém que quer se livrar de um pai ditador e que por ter tido um, procura na parceria alguém tão forte para quebrar essa ligação. Quando o ariano se conscientiza desta situação, pode usar sua energia transbordante para ideais de justiça e liberdade.