A Tempestade


Os romanos deificaram a Tempestade, que pode ser considerada como uma ninfa do ar. Marcelo fizera-lhe construir um pequeno templo em Roma, fora da Porta Capena.
Em alguns monumentos antigos, encontram-se sacrifícios à Tempestade. Representam-na com o rosto irritado, em uma atitude furibunda, e sentada em nuvens procelosas, entre as quais estão muitos ventos que sopram em direções opostas. Ela espalha a mancheias o granizo que quebra as árvores e destrói as colheitas. Sacrificavam-lhe um touro negro.