O Lar de Plutão



Segundo a mitologia grega e romana todos os caminhos com o advento da morte física levam aos Infernos,  para seremos julgados em bons ou maus. A localização física seria o subterrâneo da terra, como nas cavernas e reentrâncias do solo. Também seriam delimitados pelo Rio Oceano. Para alem deste limite tudo seria circunscrito ao reino da Noite. Para os gregos a sua entrada estava situada no Cabo Tenaro, ao sul do Peloponeso. Os romanos tinham os abismos do Lago Averno e as grotas vizinhas de Cumas como a entrada do Inferno.

Este divide-se em quatro regiões principais: Érebo, Inferno, Tártaro e Campos Elíseos.

O Érebo seria nosso vizinho e nos protegeria do Inferno dos maus. Os palácios da Noite, do Sono e dos Sonhos se localizavam ali. Seria a morada de Cérbero, das Fúrias e da Morte, bem como das almas cujos corpos não tinham recebido sepultura (Antígona, versa bem sobre esse direito a sepultura) vagando pelo período de 100 anos.



O Inferno dos maus era o segundo estágio para onde eram levados todos para serem julgados. Era onde o crime seria castigado e o remorso atormentava as suas vítimas, que eram devidamente torturadas. O ambiente seria totalmente adverso, solo árido, íngreme e possuíam poços gelados ou ferventes, com emanações de enxofre, alcatrão e serviam para que as almas fossem colocadas ora em um ora em outro poço. Completando a cena havia pântanos lamacentos e fétidos, de rios de águas empoçadas ou abrasadas, formando uma prisão intransponível. (continua)