A Roda IV


A roda é a imagem da ciência cristã unida à santidade. Ela é o emblema da erudita egípcia, Santa Catarina, a padroeira lendária dos filósofos cristãos. Na roda de fogo céltica, a rotação é feita alternativamente nos dois sentidos. Encontramos aqui o simbolismo da dupla espiral. A roda é um símbolo muito freqüente nas representações célticas. Nas esculturas galo-romanas, é com mais freqüência figurada em companhia de Júpiter céltico, comumente chamado deus da roda ou Táranis, ou ainda do cavaleiro com o gigante Anguípede.



Esta representação fez com que a maioria dos pesquisadores modernos vissem na roda o equivalente do fulmen de Jupiter , em outras palavras, um símbolo solar. Mas o simbolismo solar não basta para explicar totalmente a roda, que é também e sobretudo uma representação do mundo.


A roda é também o símbolo da mudança e do retorno das formas da existência, bem como a sucessão do dia e da noite. Por ser semelhante ao circulo, a roda é igualmente um símbolo celeste, em relação com a noção de centro. A rodela é também uma figura geométrica extremamente freqüente nas representações célticas de todas as épocas, e seu simbolismo conjuga o da roda com o da cruz. Um outro simbolismo, muito próximo da roda, é o de espiral que, com seus movimentos alternativos de evolução e involução, corresponde ao solve et coagula.