LEÃO ao longo da história


É formidável o uso da simbologia do leão ao longo da história, como por exemplo: Krishna, diz ser o leão entre os animais; Buda é o leão dos Shakya, Cristo é o leão de Judá, Ali é o leão de Alá gerando a bandeia iraniana com um leão coroado. Dionísio, o Areopagita explica por que a teologia dá a certos anjos o aspecto de leão: a forma do leão torna compreensível a autoridade e a força invencível das inteligências santas, este esforço soberano, veemente, indomável, para imitar a majestade divina, assim como o segredo perfeitamente divino, concedido aos anjos., de envolver o mistério de Deus em uma obscuridade majestosa, furtando santamente aos olhares indiscretos os vestígios de seu comércio com a divindade, tal qual o leão que, segundo dizem, apaga na corrida a marca de seus passos, quando foge na frente do caçador. Ele remete ao Apocalipse, onde o primeiro dos quatro seres vivos, cheios de olhos na frente e atrás, ao redor do trono celeste, é descrito sob a forma de um leão; e a Ezequiel, onde o carro de Jeová aparece com quatro animais, semelhantes a carvões de jogo ardente, tendo cada um quatro faces, dentre as quais uma de leão.
O brasão de Açoca, o rei budista que reconquistou a Índia dos gregos e persas e a reunificou, tinha a efígie de tres leões, com as costas coladas um no outro, em cima de um pedestal em forma de roda, com a divisa: é a verdade que triunfa. Tais são, ainda hoje, as armas de Índia. Esses tres leões, dando o fervor budista do rei, poderiam simbolizar do rei, poderiam simbolizar a Tripitaka, as Tres Cestas, coletânea canônica dos ensinamentos de Buda, bem como o Triratna, a Gema Tríplice; Buda (o Fundador ou o Desperto). Dharma (a Lei), Samgha (a comunidade).
Símbolo da justiça, é, por essa qualificação, garantia do poder material ou espiritual. Por isso serve de montaria ou de trono a numerosas divindades, assim como ornamento tanto o trono de Salomão como o dos Reis da França ou dos bispos medievais. É também o símbolo do Cristo-Juiz e do Cristo-Doutor, de quem ele carrega o livro ou o rolo. Sabe-se que é, na mesma perspectiva, o emblema do evangelista São Marcos.