TEMIS (JUSTIÇA)






Têmis, filha do Céu e da Terra, ou Urano e de Titéia. Era a irmã mais velha de Saturno e tia de Júpiter. Reza a lenda que ela queria guardar a sua virgindade, mas que Júpiter a obrigou em desposa-lo, e que a tornou mãe de três filhas, a Equidade, a Lei e a Paz.
Considera-se que ela também é mãe das Horas e das Parcas. No Olimpo, essa deusa senta ao lado do trono de Júpiter; auxilia ao deus com os seus conselhos que são todos inspirados pela prudência e pelo amor da justiça. Preside ou assiste às deliberações dos deuses. Júpiter a encarrega das mais e importantes missões. Olhavam-na como a deusa da Justiça, cujo nome lhe deram.
Desde a sua origem, teve templos onde pontificavam os oráculos. No Monte Parnaso, de sociedade com Télus (a Terra) possuía um oráculo; cedeu-o mais tarde a Apolo de Delfos. Predizia o futuro, não somente aos homens, mas também aos deuses. Foi ela quem revelou o que as Parcas ordenaram sobre o filho de que Tetis devia nascer. Impediu que Júpiter, Netuno e Apolo desposassem essa nereida, pela qual estavam apaixonados, porque ela devia ser mãe de um filho mais forte que o pai.
Seus atributos ordinários são a justiça: a balança e a espada, ou um feixe de machados, cercados de varas, símbolo de autoridade entre os romanos. Uma das mãos sobre a extremidade de um cetro é ainda um de seus atributos. Algumas vezes representam-na com os olhos vendados, para designar a imparcialidade que convém ao caráter do juiz.