Deméter - o mito de Virgem







Deméter ou Ceres, filha de Saturno e de Ópis, ou Vesta, ou de Cibele, ensinou aos homens a arte de cultivar a terra, de semear, de colher o trigo e com ele fabricar o pão, o que a fez ser vista como a deusa da Agricultura. Júpiter, seu irmão apaixonado por sua beleza, teve com ela Perséfone ou Prosérpina. Foi também amada por Netuno e para escapar à sua perseguição, transformou-se em égua; o deus que percebeu esse ardil metamorfoseou metamorfoseou-se em cavalo; dos amores de Netuno nasceu-lhe o cavalo Árion. Envergonhada com a violência de Netuno, ela pos luto e se escondeu em uma gruta, onde ficou tanto tempo que o mundo estava em perigo de morrer de fome, porque durante a sua ausência, a terra ficara estéril. Enfim Pã, estando caçando na Arcádia, descobriu o seu retiro, informou-o a Júpiter, o qual, por intervenção das parcas, apaziguou-a e devolveu-a ao mundo privado dos seus benefícios. Os figalianos, na Arcádia, ergueram-lhe uma estátua de pau, cuja cabeça era a de uma égua, com a crina da qual saíam dragões. Era chamada a Ceres Negra. Tendo-se queimado incidentalmente essa estátua, os figalianos negligenciaram o culto de Ceres e foram castigados por uma penúria que não cessou até a estatua ser reparada. Tendo Plutão (ou Hades) raptado Prosérpina (ou Perséfone), Ceres (ou Deméter), inconsolável, queixou-se a Júpiter; mas,